quinta-feira, 11 de maio de 2017

Damn, man! You fucked up my brain!

Me deixou tremendo, sem reação, tem três semanas que nos reencontramos e simplesmente não paro de pensar em você, no sorriso tímido de menino com covinhas, no jogar de cabeça pro lado pra acender o cigarro. Me dá o cigarro? 
Caralho, gruda em mim e não me solta nunca mais, tô te implorando.
É que teu beijo tem gosto de droga e eu prefiro sugar da tua boca do que da garrafa. 
Não imaginava que depois de tanto tempo fosse ser tão explosivo esse encontro, nem que você fosse mexer tanto com a minha cabeça a ponto de me deixar sorrindo e pensando "meu deus, quando vou ter a sorte de ver ele de novo?", porque você é desses que não marca nada, só aparece, a cidade é grande-pequena e eu tô torcendo pra te ver mais logo, o quanto antes, amanhã, hoje. Mora em mim.
É que eu tô pensando em fechar esse hotel que eu virei pra virar casa de repouso se você quiser pousar, pra gente ficar abraçadinho contando tudo que aconteceu nesse tempo que a gente não se viu, tudo que a gente viveu e que botou nós dois no mesmo rumo de novo. 
Cola ai, faz de mim morada, deixa eu comprar o pacote completo, te quero um bem sem fim. 

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Difícil não reparar, no todo e nos detalhes, da curva dos olhos ao formato dos ossos. Há beleza e precisão em tudo isso. A natureza foi generosa, deu uma estrutura de aparência forte e resistente, com olhos doces e confiáveis. Pôs cachos emaranhados na sua cabeça e um brilho sutil no tom de pele. A tua falta de confiança e problemas com auto estima não me parecem coerentes. És belo, não enxergas direito o que o espelho reflete. Pudera eu dizer que todas as esculturas gregas pereceriam diante da sua beleza discreta e velada.

terça-feira, 29 de julho de 2014

coeur de pirate

Hoje me deu uma vontade danada de largar tudo e me enfiar nessa sua cama de casal, que apesar do tamanho a gente fica espremido, colado um no outro pra pegar no sono, e só ficar quietinha vendo você tocar nesse violão uma musica do Caê que nunca ouvi, mas ficou linda na sua voz.
Hoje quis demais esse abraço dono, cheio de propriedade que você me dá, esse bem apertado com beijo na testa que 'cê dá do nada e me deixa toda bagunçada pensando que de tão simples vai conseguir me descomplicar, queria era você demorando abraçando meu corpo pequeno, sem pressa pra fumar um cigarro depois do fim, enquanto o suor da sua testa seca no meu ombro porque você deitou bem ali e ficou pra sempre.
Desse monte de paquera boba que arrumo, hoje quis só você pra falar rapidinho um "que bonitinha" nas horas que eu menos espero, quis pular sua janela direita e me enfiar debaixo das cobertas com você, quis me enfiar nas suas roupas que tem tanto do seu cheiro que me dá dó de lavar, quis ficar na ponta do pé e te abraçar pelas costas na varanda vendo seu cachorro e suas plantinhas, enquanto você fuma esse cigarro que eu te dei.
Hoje no meio dessa TPM maluca, com meus hormônios surtando, meu corpo inteirinho pediu você, de um jeito que me deixou mais louca, surtada e confusa do que só a TPM já me deixa. Porque você é olhar sincero e riso frouxo e principalmente porque quando você me pergunta: "o que você vai fazer as cinco da manhã?" minha vontade é responder: atravessar a cidade pra ficar com você.

sábado, 26 de abril de 2014

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

sobre a doce melancolia

“Elas são muito bonitas, mas são um pouco melancólicas.” “Sim, iguais a você. – silêncio – Eu gosto da sua melancolia.”

E se com essa frase, ele pretendia me conquistar devo dizer que atingiu com êxito sua pretensão. A partir daquele momento de uma maneira triste e bonita achei que podia ser legal, que podia dar certo, que podia ser um pouco feliz no fim de tudo, mas não foi. Foi triste e sério como éramos, melancólico, fechado e de poucas palavras.

Agora odeio a mim mesma pela incapacidade de falar sobre essas coisas que costumo sentir, muito inclusive, mas não falo nunca. Sinto-me mal e carrego a culpa pelo fato de não ter dado certo, porque não quero acreditar que não deu certo porque ele simplesmente cansou de mim, do meu silêncio e da minha tristeza costumeira.

Fico pensando em todas as coisas que gostaria de ter contado, como que adoro musicas celtas e que gaita de foles é meu instrumento musical favorito, porque faz um som triste e bonito. Assim como esse violino que ele se esforça pra aprender a tocar, mas já toca bem fundo na minha alma, com notas agudas e desajeitadas, como eu. É que ele é tão parecido comigo, no silencio e nas musicas tristes, na falta de confiança em si próprio, no esforço de não ser mau com ninguém, mas se colocando sempre de fora, nunca se envolvendo, que quis me envolver.

Parece que apesar das inúmeras visíveis semelhanças, não nascemos pra ser nada além de um reflexo um do outro, incapazes de conviver em harmonia durante muito tempo sob pena de um afogar o outro na sua tristeza particular e inocente. Porque sou sim melancólica e difícil de conviver, mas não propositalmente, a tristeza é um sentimento continuo que quando a euforia vai embora permanece e ele sabe que sempre gostei de coisas estáveis.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

ninho de sabiá

Tô acostumada com a correria, com a sofreguidão, é que tenho um pouco de pressa de descobrir o mundo e as pessoas e não gosto muito de esperar, mas você me colocou no slowmotion, numa paquera velada e copiosa, me deixou cuidadosa e ansiosa esperando o próximo passo, é que você tá sempre elogiando alguma coisa em mim e não tô acostumada.
É tudo tão calmo, tão gentil, tão sutil, tão no tempo certo, que me dá medo de te atropelar e fico me lembrando "um passo de cada vez, um passo de cada vez" e quando falo alguma coisa você ri gostoso, me abraça e diz "dá vontade de te apertar o tempo inteiro", essas coisinhas vão me dando vontade de ficar pra sempre, porque você sou eu, mais calmo, mais centrado, menos desesperado pra viver a vida de uma vez só e infinitamente mais profundo. Poucas vezes foi tão difícil juntar força pra ir embora e tirar você do conforto do meu colo, pouca gente me deixou tão assim em tão pouco tempo, é que a vontade de beijar o tempo inteiro é tão sua quanto minha, mas não sei como lidar com isso.
Mas no meu futuro de princesa cabe você sendo príncipe e governando soberano um sitio no interior com a quantidade de crianças que você quiser ter, pintando o que você quiser pintar, porque por mais surreal que pareça, a simplicidade do seu Chico encantou a majestade imponente da Lady.

sábado, 13 de julho de 2013

"Volta pro mundo, preta."

Me chama de volta, não pro mundo, mas pros teus braços, pra esse calor absurdo e delicioso que é a gente,  me chama de volta pra dentro do teu carro com o vidro embaçado. 
Fala pra eu voltar pra debaixo daquela arvore, pra voltar pro passeio que fiz você dar, fala que meu sorriso tem potencial, quero fazer birra e dizer que ele é raro, mesmo sabendo que sorrio com a facilidade de uma criança entusiasmada, principalmente perto de você. 
Divide teus sonhos comigo, como faço com os meus, me enfia neles do jeitinho que faço com as pessoas que me cercam, sei que você gosta disso.
Até prédio contigo, lembra? Ainda é válido. 
Me compara mesmo com um gato e imita o meu "não" com um miado dengoso e levemente irritado, faz todas essas coisas bestas e normais que me cativam tanto, vai lá, faz.
Faz, porque toda vez que você age naturalmente desse jeito me dá mais vontade de voltar pra qualquer lugar do mundo que eu possa ficar com você.